“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Pêras de Inverno

25 comentários

A minha família já não vindima.

As vinhas foram abandonadas, vendidas, cedidas.

Pereiras e vinha

Essas memórias de infância estão guardadas no meu frasco mais colorido.

Quando a minha Mãe me perguntou se eu queria apanhar as pêras dessas vinhas fiquei admirada.

Não tinha memória das pereiras. Destas pereiras seculares, com olhos, nariz, boca e longos cabelos, e que, por serem seculares, dão frutos com um sabor de outro tempo. Quando a fruta sabia ao que era.

árvore com olhos

árvore com olhos e cabelos

Há muitos anos, antes das câmaras frigoríficas, havia culturas de Verão e de Inverno e havia a preocupação de ter fruta todo o ano. As pêras de Inverno ou francesas eram uma óptima solução.

Hoje é difícil saber qual é a época certa da fruta: há sempre inúmeras variedades no supermercado.

Depois da vindima, apanhavam-se estas pêras magníficas que ficavam no sótão e duravam até Fevereiro.

balde e botas

Eu não me lembrava das pereiras, mas lembrava-me do sabor destas pêras.

Aliás, este é o meu arquétipo de pêra.

pêra na erva

Esta é pêra do meu mundo inteligível.

Era o sabor que eu guardava no meu frasco de infância, tão colorido e definido.

Claro que não andaram apenas as minhas botas à volta das pereiras. Andaram também os sapatos do meu Pai e as botitas da Beatriz.

Foi o melhor dia dos últimos tempos.

Anúncios

Autor: Frasco de Memórias

https://frascodememorias.wordpress.com

25 thoughts on “Pêras de Inverno

  1. Ana,
    Muito engraçada esta tua descrição.
    Dá que pensar… que bom poderes continuar a usufruir estas vivências.
    A pereira com “cara ” é espantosa !
    As peras devem ter o sabor a pera !
    Parabéns a toda a equipa “apanha peras “.
    Beijo
    José

  2. Gostei muito da “cara” das pereiras e do aspecto delicioso das pêras. Que desfrutem destes momentos durante muitos anos. 🙂

  3. Nos terrenos que herdei dos meus avós/pais, também existem duas pereiras, mas são das que produzem no final da primavera. Só que normalmente os bichos tomam conta delas antes que eu possa ir apanhar…

    Mas há uma árvore mítica, que recordo desde a infância que é a romanzeira e após anos e anos debaixo do silvado, mandei limpar tudo e eis que descubro que a romanzeira ainda está lá e até tem romãs. Espero sábado que vem ir apanhar, se a chuva não deu cabo delas 🙂

  4. Nunca me tinha apercebido que as árvores podem ter caras. As fotos são lindíssimas! 🙂

  5. Adorei o cheiro e o sabor das pêras!
    Que bom termos tudo isto guardado!
    Uma das coisas que mais gosto na minha vida é ter tido a sorte de ter nascido e vivido no campo!
    Aquela questão que abordas-te um dia destes do ritmo do tempo, é muito mais simples estar no ritmo certo ou mais próximo dele, no campo, mais junto da natureza…
    Profunda saudade da terra, do seu ritmo, do seu cheiro, das suas cores, da sua continua renovação…

    • É completamente verdade, Bertita!
      A Natureza tem um ritmo certo, nós é que acelerámos e agora andamos perdidos com tanta velocidade… Voltar à terra fez-me muito bem (apesar de nem sempre conseguir contrariar o ritmo dos Homens)!

  6. Tenho acompanhado os teus artigos com especial interesse mas esta é a primeira vez que comento. Gostei do texto, claro, e gostei das fotos, que estão francamente boas, sobretudo a do balde visto de cima com o cantinho das botas em baixo. Mas o que gostei mais foi a tua última frase e imagino mesmo que tenha sido o melhor dia dos últimos tempos, não porque os outros tenham sido maus, mas porque este teve algo que é extremamente raro e, por isso mesmo, extremamente precioso e que lhe confere um gosto indizível. Tenho a certeza que percebes exactamente onde eu quero chegar…

  7. Oi, Ana, que linda árvore, imagino o gosto espetacular que o fruto deva ter. Certamente, tem um sabor todo especial, regado por boas lembranças. Lembro que, quando pequena, íamos a uma chácara perto do sítio de meus pais apanhar caquis. Subíamos nas árvores e muitas vezes não conseguia carregar os sacos que ficavam super pesados. Foram os caquis mais deliciosos que já comi na minha vida! Beijo

  8. Tive de ir pesquisar: um caqui é um dióspiro? São estes momentos que habitam a nossa memória.

  9. Eu adoro peras minha cara, mas confesso que cá está difícil encontrar peras com sabor.
    Não sei o motivo. Ou são duras demais, e eu prefiro as macias. Ou são macias e sem gosto.
    Não tento entender, talvez seja a maneira como são cultivadas, como bem disse está difícil saber o tempo das peras e dos morangos.
    Mas, confesso, não imaginava existir arvores de pera. Sempre as pensei rasteiras, como as melancias. rs

    bacio

    • Por aqui é difícil encontrar sabor na maior parte dos frutos das grandes superfícies. Impera a total falta de respeito pelo ritmo da Natureza no cultivo e na apanha… Vale-nos a produção caseira.

  10. Pingback: Embalar |

  11. Pingback: Doces |

  12. Olá eu e o meu pai adoramos esta descrição em relação a pereira, o meu pai também se recordou da infancia dele a comer este tipo de pera. O meu pai gostaria de comprar uma pereira destas, sabe aonde se pode obter a compra da pereira de inverno??obrigado Tania

    • Olá Tânia!

      Estas pereiras são mesmo antigas (um século de vida, provavelmente): funcionavam quase como marcos para separar as vinhas.
      A minha Mãe comprou numa feira daquelas que ainda se fazem semanalmente/mensalmente nas vilas perto da Figueira da Foz uma pereira de Inverno (ou pêra francesa): cresceu e já deu pêras; mas em relação ao sabor não tem nada que ver com o sabor das pêras destas pereiras antigas: não sei se será a qualidade ou a idade.
      Se a Tânia viver perto da Figueira da Foz e o Pai quiser fazer um enxerto duma destas pereiras antigas, talvez possamos combinar.
      De outra forma, só mesmo procurando em feiras e viveiros a tal pereira francesa.

      Um abraço,

      Ana

  13. Não é uma resposta, mas como é que consigo arranjar uma pereira dessa qualidade?

    • Olá Sr. Hilário:
      Só mesmo numa feira daquelas que ainda se fazem semanalmente/mensalmente em algumas vilas do país e encomendar uma pereira de Inverno (ou pêra francesa).
      Há viveiros que ainda têm a pereira francesa.
      Boa sorte!
      Depois diga-me se foi bem sucedido!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s