“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Nova Primavera

13 comentários

O Outono é mesmo uma nova Primavera.

Só agora é que reparei: são ervas a rebentar por todo o lado, as frésias saíram dos bolbos; a rúcula está viçosa e a D.Adélia deu-me sementes para semear este mês.

Tenho de iniciar este novo ciclo.

Em Maio, comprei acelga, alface, tomate, batata doce, rúcula, beringela, abóbora e courgette.

plantinhas1

Agora tenho na minha lista “A plantar”: couve, nabiça, alface e acelga.

É a segunda vez que convido a acelga para o meu pátio e para o meu prato.

Costumo cozinhá-la na sopa ou salteada mas também pode ser preparada em saladas.

acelga

Por vários motivos, afastei-me do pátio e só agora é que me apercebi da falta que me faz o cheiro e o toque da terra. Reposiciona-me.

O Homem nunca pertenceu aos ecrãs, aos carros, às máquinas, aos filamentos eléctricos e aos metais, mas sempre pertenceu à terra.

É fácil reencontrar essa ligação milenar quando se planta.

Mesmo que seja uma simples acelga.

Anúncios

Autor: Frasco de Memórias

https://frascodememorias.wordpress.com

13 thoughts on “Nova Primavera

  1. Já não tenho idade nem saude para mudar de vida mas se pudesse sem duvida que partilho da sua afirmação e iria para o campo-

  2. Ana,

    Muito bem !

    …”O Homem nunca pertenceu aos ecrãs, aos carros, às máquinas, aos filamentos eléctricos e aos metais, mas sempre pertenceu à terra. “…

    Tb penso assim.
    Subscrevo !

    Bj
    José

  3. Andas a plantar cannabis?

    🙂

  4. Eu gosto do campo, mas apenas por alguns dias porque sou muito urbana e sinto falta de tudo. Dos sons ao tumulto, preciso disso para escrever, mas as vezes preciso de uns dias longe para me renovar, reinventar e voltar…
    Mas amei o seu olhar acerca da “nova primavera”. Nunca tinha pensado dessa maneira.
    bacio

    • Até vir viver para o campo e ter começado a cultivar o meu pátio também nunca tinha reparado como o Outono é “primaveril”.
      Eu cheguei à conclusão que sempre fui uma urbana ludibriada 😉
      Surpreendentemente, encontrei-me/encontro-me muito feliz na aldeia.

  5. José,
    Pois não 🙂
    Mas tem de se gostar.
    E, para dizer a verdade, é mais fácil no Verão, na Primavera e na Nova Primavera.
    Já o Inverno é mais duro… a não ser que se tenha uma salamandra.
    Beijo,
    Ana

  6. Ana,
    Ter de gostar…gostar é mesmo o meu problema.
    Sem a mínima dúvida,acho que sou muito mais esse género…outro oxigénio…outra vida.
    Inverno ser mais duro …e por aqui ?
    Olha, eu moro no Estoril e quanto a salamandra….obrigatório tb por estes lados.
    Comprei uma salamandra a pellets,espectáculo !
    Acho que acabarei no campo,raízes (B.Baixa) … e estou a adorar o tipo de ” vida” que tens relatado.
    Terra,árvores,frutos,dôces,bichos,verdes,calma,feiras,tempo…..acho que tens sorte.
    Bj
    José

    • José,
      Num tempo em que é moderno ser “cidadão do mundo”, é bom voltar às raízes. Para mim foi…
      Vamos ver por quanto tempo me é permitida esta paz.
      O nosso patrão é implacável!
      O fogo e o calor da salamandra aquecem o homem ancestral que há em nós 🙂
      A Beira Baixa vai esperando pelo momento certo 😉
      Beijo,
      Ana

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s