“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Pessoa

12 comentários

Durante a Idade Média, uma criança só era considerada pessoa depois dos oito anos.

A mortalidade infantil dizimava os mais frágeis e não fazia sentido investir em que tinha muitas probabilidades de não sobreviver.

É arrepiante pensar nestes termos, hoje em dia.

Fizemos, de facto, um longo percurso enquanto sociedade.

Mas ainda hoje encontro vestígios de um tempo que considerava as crianças como seres vivos, mas não necessariamente pessoas.

Phoebe Wahl mãe

Quando ouço frases como:

-As crianças adaptam-se mais facilmente do que nós.

Não, não adaptam, sobretudo se não lhes explicarem bem em que consiste a mudança e não for muito acompanhada. No meu percurso profissional, encontrei dezenas de crianças que nunca se adaptaram e se tornaram adolescentes “problemáticos” e adultos com “debilidades”.

-É bom que vão para a creche bem pequeninos que é para se habituarem.

Habituarem a quê exactamente? A não terem atenção e afecto personalizado numa altura em que é quase só disso que precisam?

Phoebe Wahl maternidade

-Então mas ela tem querer? Não a obrigas a comer?

Tem “querer”, sim. Há decisões que sou eu que tomo, como é óbvio, mas a Beatriz não é obrigada a comer, nem a fazer muitas outras coisas importantíssimas, como dar beijinhos/ conversar com quem não quer/vestir uma determinada peça de roupa,… Há decisões ligadas à sua individualidade que eu respeito.

-Ela está bem; está ali com as outras e hoje não chorou.

Mas está a sorrir ou está triste? Estar com mais quinze crianças tristes não é consolo para mim. Cabe-me a mim zelar pelo seu sorriso.

Phoebe Wahl quintal

-No meu tempo também era assim e estamos cá todos.

Todos, excepto os que não estão: os números da mortalidade infantil, devido ao aumento de cuidados de saúde, evoluíram de uma forma que nos deve orgulhar. Bem, e “estar cá” não é sinónimo de “estar cá a fazer algo positivo”.

A lista de episódios podia continuar…

A questão é que eu quero crianças autónomas, seguras, com personalidade, responsáveis e Felizes.

E nem todos os meios vão dar a esse fim.

Fotografias da belíssima Phoebe Wahl.

 

Anúncios

Autor: Frasco de Memórias

https://frascodememorias.wordpress.com

12 thoughts on “Pessoa

  1. Subscrevo cada palavra 🙂
    (e fiquei encantada com as ilustrações)…

  2. a idade média, a idade das trevas…e continua!
    Bom sábado!
    Beijinhos
    Conheço as ilustrações. Ando por lá quase todos os dias.
    🙂

  3. Belíssimo texto e ilustrações. ❤ Beijinhos

  4. Sinceramente, acho que por aqui (Brasil) há uma falta de zelo imenso por parte de boa parte dos pais. Vejo crianças sendo criadas sem cuidado. Fazem tudo que querem, sem limite e em alguns casos, agridem os adultos e estes acham bonitinho porque é a maneira (errada) de tentarem suprir a ausência deles. Enfim, criam-se monstrinhos. Acho que criança precisa sim de carinho, atenção, uma boa educação e limites. Claro que devemos respeitar a identidade de cada um, mas é preciso não confundir os elementos e por aqui, por enquanto, não ocorre sucesso nesse sentido.
    Bacio

    • Lunna:
      Educar é difícil.
      É muito ténue a fronteira que divide “respeitar a individualidade” da criança e o laxismo que pode permitir-lhes serem pequenos ditadores em casa e “monstrinhos” fora de casa.
      E nós queremos crianças (e adultos) alegres, com personalidade, mas sensíveis e atentos “ao outro”.
      Bacio!
      Com saudades de um chá a ler “Catarina voltou a escrever” 😉

      • Não tenho dúvidas de que seja dificil minha cara… aliás, deve ser uma das coisas mais complexas da vida ser responsável pela vida de alguém. Não teria competência para isso, digo sem receio, por isso, nunca pensei em ter filhos. Estudar psicologia me deu certeza de que não sirvo para isso. rs

        bacio

  5. Adorei o texto e fiquei consolada por saber que há mães assim. Sempre me fez muita espécie o “obrigar a dar beijinhos.” Acho que ainda tenho traumas de infância com as amigas das avós a puxarem as minhas bochechas. Depois admiravam-se que era bicho do mato e arisca. O facto é crianças felizes adultos saudáveis. Quando for mãe, quero ser assim. 🙂

    • Que bom ler estas palavras, Ana!
      O que escrevi não é consensual…

      • Infelizmente eu sei que não é. E não falo só de mim. O meu sobrinho as vezes é olhado de ládo porque não dá um beijinho. Eu fico irritada com estes “deveres”. Não me interessa se ele dá ou não beijinho, enche-me o coração vê-lo a partilhar o lanche com o amigo porque o amigo gosta mais do lanche dele, ou dele a consular o amigo que caiu, ou do seu sorriso quando vê alguém que gosta. Isto sim faz sentido, o ele ter o coração grande. Uma criança feliz.

      • Um menino de bom coração: e só isso deveria interessar!
        Sabes que mais: não gosto nada de “deveres” e detestaria que me dessem um beijinho por “dever” 😦

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s