“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


4 comentários

Lar

– Mas gostas assim tanto de estar em casa?

– Gosto. Gosto de “estar”, de espalhar flores, de perfumar, de ver a casa espelhar quem eu sou.

Começo a achar que sou uma criadora de lares; nas 17 casas que já tive, criei um lar.

Acho que nenhuma foi só um local de passagem, frio e sem alma, ainda que fosse habitada apenas por um ano.

lisboa Catarina Sobral

Acho que chinelei em todas e que tive pena de abandonar qualquer uma deles.

Claro que houve algumas nas quais o investimento (monetário e afectivo) foi maior e que deixá-las foi mesmo deixar uma parte de mim. Sobretudo porque aquelas paredes testemunharam momentos importantes da minha vida…

E agora, enquanto construo um lar no Alentejo, dou por mim a pensar que daqui a uns anos talvez queira mudar de meridiano e construir um outro lar. Dou por mim com vontade de construir dois lares: um em Coimbra e outro no Alentejo.

musicfamily_CATARINA_SOBRAL

Já não me chega um lar… tenho vontade de construir dois em simultâneo.

A casa é o meu projeto para sempre inacabado…

a_retorica_da_parabolica catarina sobral0

Adoro vizinhos, viver em bairro e ter quintal.

Catarina Sobral

Se tenho isso em Estremoz? Tenho.

Mas falta-me o mar e sinto as raízes em forma de peixe inquietas.

Ilustrações: Madalena Matoso.


3 comentários

Love isn´t hard (ou não é Amor)

Nunca gostei de adágios nem de justificar as minhas acções recorrendo a frases feitas.

Fazê-lo sempre me pareceu um sinal de preguiça mental ou conservadorismo.

Mas e o que dizer das novas frases que abundam no FB e nos blogs?

Ainda por cima em inglês e tão bonitas?

Mordi a língua!

bees like honey

♥ ♥ ♥

cup of coupleFrase: Bees like Honey

«Precisamos parar e pensar o que é o Amor. E o Amor não é nada disso que por aí se ouve. Eu sei-o, você sabe-o, todos o sabemos. Por vezes é difícil afastar essa “nuvem de poluição” que envolve o Amor, e perceber que não é o Amor que nos faz sofrer, mas nós a nós mesmos. Que são os nossos pensamentos acerca do que é o Amor e de como deve ser o Amor que nos fazem entrar no “labirinto do desamor” e não saber como sair de lá. […]

E enquanto continuarmos a pensar assim, e principalmente a viver de ilusões e idealizações dos outros e das relações, tentando mudar quem não quer mudar, a viver e, especialmente, a sentir os outros, as relações e o Amor através do “filtro do sofrimento”, vamos continuar a escolher sofrer e a “sofrer por Amor”.

Não, o Amor não é sofrimento. O Amor faz-nos sentir plenos e em harmonia, faz-nos encontrar connosco e com os outros, aceitarmo-nos e aceitar, ou não, os outros, como somos e como são, viver as relações tranquila e serenamente, sentir ainda mais vivos e sentir a vida acontecer a cada momento, como ela é, como a vemos, não como os outros a veem, escolhendo quem queremos ao nosso lado, sem necessidade de sacrifícios para se ser aceite, querido, amado, desejado… para ter Amor!»

Para ler todo o texto de Margarida Vieitez clicar aqui.

Imagem: Cup of Couple


2 comentários

Comunhão

Há feiras em que vende muito, há feiras em que se vende menos, mas há sempre as pessoas que se conhecem, as partilhas, as aprendizagens e os contactos que se fazem.

E telefonemas inesperados de quem gostou do que viu ou provou na feira.

É a segunda vez que me contactam para fazer bolachas para celebrar a Comunhão de meninos.

estrelas de massa bolachas

Fico especialmente sensibilizada por fazer parte de um momento cheio de simbolismo para estas famílias: as crianças dão um primeiro passo (formal) para se tornarem discípulas de Jesus e começarem a sua relação de companheirismo com Ele ao longo da vida.

Penso que será esse o sentido desta experiência, mas como não tenho uma relação formal com Deus (nem com ninguém realmente importante na minha vida), quero que me corrijam.

Depois dos tabuleiros certinhos, tem de chegar a diversão para a Beatriz e pulam todo o tipo de animais dos nossos últimos tabuleiros, bem mais desalinhados.

formas de bolachas animais

 


3 comentários

Sábado Gelado

Sábado divertido, animado, acompanhado, pintado e gelado!

Mercado de Estremoz 2016

Brincar na mata 2016

Brincar na mata 2016 cavalos

Gelado de morango

Gelado de morango

500g morangos frescos;

280g açúcar mascavado;

400ml natas sem lactose (tinha destas no armário mas também já fiz com natas light e com natas normais);

1 iogurte natural (opcional).

Tritura-se, no copo da liquidificadora, a fruta e o açúcar.

Entretanto, batem-se bem as natas.

Envolve-se tudo e leva-se, numa taça, à arca frigorífica.

Aqui em casa os gelados de fruta fazem muito sucesso, sobretudo nos cones de bolacha de baunilha que só encontro à venda no El Corte Inglês.

Também já fizemos de banana, mas neste caso reduzi bastante o açúcar.

Já estão na lista de espera os gelados de chocolate e de bolacha Maria!

 


2 comentários

Positive

positive thoughts

A Carmen é minha amiga e é muito bonita.

Para além disso, é a responsável pela entrada do baton vermelho na minha vida, a par de algumas reflexões que provocaram mudanças bem mais importantes do que esta…

É fã do Instagram, que eu apenas espreito, porque já sou demasiado dada à dispersão.

Pedi-lhe que seleccionasse imagens positivas para resistirmos a estes dias difíceis antes das férias.

Ora vejam:

festival look

colete

rabos de cavalo

 

total denim

A Carmen deixou-nos duas contas inspiradoras:

StreetStyle Inspirations

WorldLifeStyle

E esta é a da Carmen: Maria Mendes !


9 comentários

Mimoso

A Avó Silvana magoou-se e os bolos deixaram de entrar cá em casa.

Alguns dias muito estóicos, até que os pedidos de bolo começaram a repetir-se;

mas bolos da Avó Silvana!

Fomos explorar o velhinho livro de receitas da Avó à procura de um bolo que a Beatriz pudesse fazer quase sozinha.

Encontrámos o Bolo Mimoso:

Bolo Mimoso

250g açúcar

250g farinha de trigo

1 colher de chá de fermento

125g manteiga

2 ovos

1 chávena de leite

raspa de limão

Bate-se o açúcar com a manteiga;

juntam-se os ovos e depois o leite;

por fim, a raspa de limão e a farinha com o fermento.

Coze em forma untada de manteiga e polvilhada de farinha.

Mais fácil não podia ser e é mesmo muito bom.

A minha confissão secreta: reduzi o açúcar e a manteiga da receita original, mas ninguém reclamou!