“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Surdir

11 comentários

O meu Pai cursou História e aprendeu mais sobre os nossos antepassados, em Portugal e no Mundo.

Mas o que sempre lhe interessou foi a História local, aquela que ainda não está suficientemente investigada e que, muitas vezes, se confunde com lendas e histórias antigas.

Também a forma como as pessoas viviam e como falavam o fascina.

Começou por registar alguns dos vocábulos usados no Vale do Mondego, assim como histórias ainda ouvidas nos serões de fogo.

Parece impossível, mas o meu Pai ainda é do tempo em que não existia luz eléctrica nas aldeias do litoral, na região centro do país!

Poucas décadas mais tarde – hoje –  ficamos histéricos se alguém é infoexcluído!

Como se essa aptidão, por si só, fosse passaporte de felicidade.

Pessoalmente fico mais histérica por ver que tantas expressões estão a desaparecer e que estamos linguisticamente normatizados e, consequentemente, mais pobres.

Não sou saudosista do Portugal rural e, muitas vezes, miserável, mas apavora-me o facto de ficarmos uniformizados.

E perdermos expressões cheias de graça, como estas:

ter achaques – adoecer com mal de pouca gravidade

asnear – fazer asneiras (ouvi muitas vezes, quando era pequena!)

arrochada – pancada com arrocho – pau curto de apertar a carga

cangote – nuca

caturrar – discutir

descoroçoado – desanimado

donairoso – gracioso (que graça!)

maciota – cama (adoro esta!)

surrobeco – tecido de lá grosseira, cor de mel, usada na capa dos pastores.

surdir – resultar, render.

 

Só retirei algumas da enorme lista compilada.

Em relação aos contos que o senhor meu Pai anda a recolher, a leitura prossegue e vou-me deliciando com o Português solto e cheio de graça.

O Português que eu cheguei a ouvir na aldeia, quando era pequenina, esfolava os joelhos na bicicleta e todos à minha volta eram felizes.

Como acho que este senhor merece estar na web, cá vai o meu Pai.

cabete-pai

Anúncios

Autor: Frasco de Memórias

https://frascodememorias.wordpress.com

11 thoughts on “Surdir

  1. Parabéns. Muito orgulho num progenitor assim. Conheço algumas das expressões : sudir, era muito usado pela minha avó, sempre que o dia não lhe rendia o efeito pretendido. 😀

  2. A língua é mutante, nós mesmos não falamos mais como falávamos no ano passado. O português e o brasileiro ainda foram roubados com o tal acordo ridiculo ortografico. Mário de Andrade escreveu Macunaíma e usou a lingua ‘falada’ aqui, a que sofri para entender. rs
    Sempre me pego dizendo ‘muito giro’ e todos me olham sem saber do que se trata. Aqui é apenas ‘maneiro’ mas não me diz nada.
    O ‘obrigado’ também não me agrada. Me sinto apenas obrigada e não agradecida. Prefiro o ‘grazie’.
    Enfim, umas somem, outras aparecem e a gente tenta se manter fiel aos nosso diálogos. rs
    Adorei a figura de tuo papa… belo sorriso.

    bacio

    • Lunna:
      Cada um de nós sente a Língua de forma muito pessoal e esse facto só a enriquece.
      Por aqui, tem havido uma simplificação e mesmo a TV usa umas centenas de palavras que não enriquecem ninguém.
      Esse tal de Acordo nem é bom falar.
      Gosto tanto de ouvir o Português do Brasil, precisamente por ser tão diverso e vocabularmente mais rico – com os seus neologismos e arcaísmos!
      Gosto do “grazie”, do “giro” e do “bacio” 🙂
      Bacio!

  3. Parabéns ao teu pai, pelo estudo e interesse em compilar estes vocábulos e histórias locais. Alguns conheço, outros não! Fiquei curiosa por conhecer as lendas desta região. E um livro?

  4. Tanto aí quanto cá, no Brasil, nossa língua perde pouco a pouco um pouco de sua riqueza. Tristeza maior é ver que a maioria das pessoas não dão importância para isso. Adorei rever esses termos e palavras que caíram em desuso. Isso é história! E seu pai, que graça! Que continue a preservar a história de vocês. Abraço querida!

  5. No Brasil usamos a expressão “cangote”, mas também está caindo em desuso, com exceção de regionalismos.
    Muito simpático seu pai, parece uma pessoa carismática 🙂

  6. Fico com pena que palavras tão expressivas se percam… e sobretudo que a língua se uniformize.
    Meu pai é carismático, sim. Obrigada 🙂

  7. Pingback: Acreditar |

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s