“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Brincar

6 comentários

-Mãe, não queres brincar comigo?

-Só um bocadinho… agora não posso.

-Mas queres brincar comigo?

-Quero, claro!

(Ui, parece-me que menti…)

Gosto de ver filmes infantis, gosto de passear e ir ao mercado com a Beatriz, gosto de ler livros infantis, gosto de ir para a cozinha com ela e ficar com farinha no tecto, mas não gosto de brincar.

Custa-me!

“Agora tu és a Elsa e eu sou a Ana e tu lanças gelo das mãos para fazer bonecos de neve!”

“E depois… pegas no biberon e dás o jantar ao bebé.”

Socorro!

Brincar não é divertido; por algum motivo deixamos de fazê-lo aos 10 anos!

 

Nos dias em que me esforço muito, tento arranjar qualquer coisa que também seja um bocadinho menos penosa para mim e (verdade mesmo!) que entretenha e envolva a Beatriz durante algum tempo.

Fizemos um carro com muitos botões, muitas funcionalidades e cheio de pormenores laterais desenhados e colados pela Beatriz (durante largos minutos!).

carro de cartãoE que me destruiu  as costas em 10 corridas pela casa!

Construímos um teatro de dedoches.

Teatro de dedoches

dedoches

Teatro de dedoches em ação

As fotografias revelam que o investimento foi mais da Beatriz do que meu, não é?

Depois dos meus parágrafos iniciais acho que estou desculpada…

Anúncios

Autor: Frasco de Memórias

https://frascodememorias.wordpress.com

6 thoughts on “Brincar

  1. Ana, se me permite tratá-la pelo seu nome, vou acompanhando o blogue sempre que posso. Há momentos em que me identifico, há outros em que me afasto, pelos temas, pela abordagem, não sei. A minha opinião Vale o que vale, afinal os blogues são na maioria das vezes encenações de projeções de vidas que se querem bonitas, harmoniosas sem o serem, ou pelo menos pouco realistas. Inventam-se cenários mais ou menos elaborados. Fazem-se famílias felizes mesmo quando a distância há muito as separou.
    Hoje trouxe para o seu espaço um tema que numa primeira abordagem faz todo o sentido enquanto pessoa que não gosta de brincar, mas escrever “Brincar não é divertido; por algum motivo deixamos de fazê-lo aos 10 anos!”, custa-me ler vindo de uma professora. Brincar é divertido e são os adultos que não sabem fazê-lo que vão inibindo essa capacidade inata nas crianças. “Já não tens idade para…” claro que têm e devem ter a oportunidade de terem pessoas que lhes estimule a imaginação. Não bastam os livros, os bolos, os passeios, às vezes é preciso ser criança
    Desculpe o desabafo
    Um abraço
    Luísa

    • Luísa,
      obrigada pelo comentário, é sempre bom partilharmos pontos de vista.
      No meu blog, partilho o que penso e os momentos da minha vida que quero; quanto aos outros blogs, não sei, nem ajuízo… partilharão o que acham conveniente/oportuno/pertinente…
      Quanto ao tema do post, eu assumi que não gosto de brincar e é verdade, o que não faz de mim a adulta que diz: “Já não tens idade para…”; isso já é uma inferência da Luísa…
      Ser professora exige múltiplas competências e estou em paz com elas, felizmente, com os meus defeitos e qualidades, sem dúvida.
      Os meus alunos, até pela idade (12ºano), não brincam como a minha filha de 5, o que não quer dizer que não haja sentido de humor nas aulas, afectividade, cumplicidade, partilha de amor pelos livros, muito trabalho, etc.
      Um abraço,
      Ana

  2. Também não gosto de brincar. Brinquei até aos 14 anos por causa da minha irmã mais nova. De vez em quando dou de caras com artigos que dizem que os pais devem brincar com os filhos. Não sei… Os meus pais nunca brincaram comigo e pouco brinco com ela. Não gosto e nem consigo. Sinto um bloqueio mental imenso. Para lidar com a culpa que imensos artigos me lançam arranjo forma para que ela brinque todos os dias com outras crianças. E a minha culpa fica mais tolerável.

    • Totalmente em sintonia; e também utilizo essa estratégia, muito, muito 🙂
      É tão bom vê-la brincar com outra criança que está totalmente predisposta e a vibrar com isso!
      A culpa é inerente à maternidade, não é? Mas não nos faz nada bem!

  3. Confesso que também não sou muito para brincadeiras e sinto-me culpada! Mas sempre que me pedem para brincar, sugiro um jogo, brincar aos médicos ou às cabeleireiras, porque querem que eu seja a “cobaia”, e assim fico sossegadinha e elas super contentes à minha volta. 😉 Beijinhos (adorei o carro e o teatro!! Lindos!)

    • Também gosto de estar na maca enquanto a Dra. Beatriz me mede a tensão e faz análises e curativos nos braços 😉
      Um dos grandes desafios de ser mãe é libertarmo-nos da culpa, não é?
      Beijinhos e momentos felizes para vocês!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s