“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Histórias da Língua

4 comentários

Quando tinha 20 anos tinha a arrogância… dos 20 anos:

muitas certezas e a consequente altivez, inclusivamente em relação à nossa Língua.

Vivia na Figueira da Foz, estudava na Faculdade de Letras de Coimbra, portanto “falar bem” eu sabia…

Aos 22 anos, fui viver para o Alentejo profundo e aprendi que o meu conhecimento da Língua era muito pobre.

A riqueza de uma Língua reside na sua diversidade e eu, desse ponto de vista, era uma ignorante…

uma-gaivota-que-passa-joana-rosa-bragança

Passei a fixar pronúncias e a encantar-me com a melodia de cada região.

Observei o que tinha estudado na cadeira de História da Língua: eu tenho uma pronúncia que é circunstancialmente valorizada, tendo em conta o contexto social, político e até económico em que vivemos.

Uma pronúncia tão valorizada que é designada como língua padrão, mas sem os juízos valorativos que os falantes (de Coimbra e Lisboa, sobretudo!) lhe pretendem dar.

Aliás, quando a corte estava instalada a Norte, adivinham qual era a norma padrão?

É pelo facto de ser tudo tão circunstancial que me arrepio quando ouço alguém ridicularizar a pronúncia do outro.

É um comportamento que, para além de revelar falta de educação, evidencia um profundo desconhecimento da História da nossa Língua.

Fico ainda mais envergonhada quando estas atitudes vêm de pessoas com formação e que chegam ao Alentejo com a tal sobranceria que eu tinha aos 20!

Para além do contexto histórico que referi, fico muito feliz por não estarmos padronizados.

Gosto especialmente de regionalismos, arcaísmos e neologismos;

todas as variedades que revelem que a nossa língua está viva, dinâmica e cheia de saúde.

v.h.m. diz mesmo que, por vezes, usa nos seus livros neologismos, palavras de outras línguas que ele “aportuguesa” e que, por serem tão expressivas, não impedem a sua compreensão.

E que dizer então de Mia Couto ♥

Imagem de Joana Rosa Bragança.

 

 

 

Anúncios

Autor: Frasco de Memórias

https://frascodememorias.wordpress.com

4 thoughts on “Histórias da Língua

  1. Amei esse post, o tinha deixado em minha caixa de entrada em estado de espera para um dia mais calmo (coisa cada vez mais raro) e já tinha pensado, frequentamos a ‘mesma ilha’. Cursei psicologia em Coimbra. rá
    Ah vasto mundo, como disse Drummond. rs
    Eu adoro o português, embora algumas palavras não façam o menor sentido para mim, mas gosto imenso de certas sonoridades. A música me encanta, na voz do Tom, do Chico (embora goste cada vez menos desse senhor) e Marisa Monte, que parece recitar poesia. Há também Caetano e Bethania que recitou Pessoa e eu amei.
    Gosto, sem dúvida, da diferença dessa língua, a que aprendi em Coimba, da que ouvi em Lisboa e das que se falam cá. Em São Paulo há sonoridade italiana e de tantos outros idiomas. O plural italiano ‘contaminou’ o português. O de Mia é muito próximo do que se fala em Portugal, mas tem sua diferença.
    Ok, vou parar ou ficarei nessa conversa pelos próximos dias. rs
    bacio

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s