“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Voz combativa

4 comentários

A banalidade, a mediocridade e a insensibilidade propagam-se nas redes e nos órgãos de comunicação social.

Procura-se o rídiculo e o caricato das massas e o socialmente expectável das elites.

Talvez seja por isso que os comentadores dos canais televisivos estão ao nível dos programas de Domingo à tarde; tudo é coerente e condicente: são ex e actuais políticos, contabilistas e, na melhor das hipóteses, jornalistas.

Indigna-me o desinteresse que os editores dos canais revelam pelos filósofos, sociólogos, psicólogos, professores, historiadores, escritores, artistas, actores, … Os primeiros poderiam ajudar-nos a compreender e a salvar o mundo ou, pelo menos, a nossa alma; os últimos restituir-nos-iam a esperança, com um relato mais humano e poético do que nos rodeia.

Sempre que ouço um escritor, fico mais desperta e consigo distinguir a beleza das palavras e do pensamento.

Um povo desesperançado é desistente e alheado; a apatia é o nosso maior flagelo. Tudo nos é apresentado como muito maior do que nós, tão grande que nos paralisa e esmaga.

Lídia Jorge foi entrevistada por Bernardo Mendonça e, para além de falar do seu novo livro Misericórdia, comentou o mundo.

Os escritores estão debaixo da mesa a ver que migalhas caem e quem vive delas.

É preciso estar com quem vive de migalhas.”

A entrevista é longa, mas tão lúcida que senti necessidade de reouvi-la.

Tive uma semana bem acompanhada por estas duas pessoas que salientam a nossa humanidade, ultrapassando a nossa sobrevalorizada animalidade.

Lídia Jorge refere a minha triste constatação inicial: “faltam-nos vozes combativas, formadas, éticas e não populistas”.

Os populismos propagam-se quando se acirram pobres contra pobres,

ou quando se aponta o dedo a quem tem fome (os que roubam a lata de atum),

ou quando se afasta do país quem nada tem (refugiados) e se acarinham corruptos (que são elevados a comentadores políticos ou presidentes).

Os populismos multiplicam-se quando não ficamos chocados e revoltados com quem não nos devolve o que nos deve (TAP), com os lucros que disparam nas empresas do retalho e petrolíferas.

Os populismos proliferam quando não há qualquer noção de responsabilidade social por parte de quem concretiza esquemas obscenos à custa da fome alheia.

Posto isto, tal como Sophia de Mello Breyner, em qualquer lugar do mundo, se os meus filhos passassem fome eu roubaria para eles.

“Há no mundo os grandes roubos. Eles estão aí. E esses não são tratados como ladrões. E a pessoa que rouba uma lata de atum é um ladrão. Temos de olhar para isto com outros olhos e não deixar que a sociedade atinja uma situação de penúria imensa.”

Advertisement

Autor: Frasco de Memórias

http://frascodememorias.com

4 thoughts on “Voz combativa

  1. Questões muito pertinentes que merecem uma reflexão. Vou ouvir. Obrigada

  2. Na semana passada, assistia um noticiário e chamaram uma especialista para abordar determinado assunto. Curriculum impressionante e visivelmente conhecedora do área. Respondeu perguntas e apontou caminhos. Na internet sofreu ataques. Foi chamada de comunista (está na moda por aqui) e de destruidora de famílias.
    Acredite, no Brasil atual, saber não e bem visto pelas pessoas que preferem os populistas e seus argumentos rasos, frases prontas e fáceis de serem repetidas. Mas o argumento e velho, os fascistas falavam com os ignorantes e apelavam para o emocional e, como sabemos, funcionou lá e está a funcionar cá.
    Restam as migalhas.
    Que seja

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s