“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


Deixe um comentário

Rinocerontites

A forma furiosa como somos impelidos a viver torna-nos infelizes.

A aceleração constante do corpo e da mente provoca a autossabotagem individual e coletiva.

Quando estamos ansiosos e irascíveis, queremos um alívio rápido, quer este seja racional ou irracional. Ficamos incapazes de escolher e, geralmente, o consolo é arriscado e compulsivo: comida, compras, sexo, álcool, agressividade, programas televisivos acéfalos, … Vale tudo desde que anestesie.

Autossabotamos os sonhos e a vida até nos esgotarmos ou cairmos no irremediável.

A partir daí, estamos incapazes de organizar a casa e o mundo, ficamos socialmente à deriva.

Procuramos um culpado para a angústia, mal-estar, miséria ou frustração do fim do dia.

Tem de haver culpados para o que estamos a sentir: são os ricos, são os pobres, os que roubam, os que pedem, os de pele clara, os de pele escura, os que nos amam, os que nos odeiam, os famosos ou os desconhecidos, os próximos ou os distantes, … alguém tem de ser o responsável.

Esta subjugação ao relógio e ao metal, tão contranatura e insana, combate-se com rebeldia: pegar num livro é como carregar no botão de pausa e afrontar a engrenagem.

Se não accionarmos a pausa, misturar-nos-emos na massa ocupada, doente e ignorante: seremos facilmente dominados, enquanto corrermos como formigas ao sol.

Pessoas assim tornam-se autómatos e presas fáceis de rinocerontites: meras máquina que marcham atrás da mais ignóbil trombeta.

Eugène Ionesco, numa conferência realizada em 1961, esclarece:

“Pois estas pessoas atarefadas, ansiosas, que perseguem um objectivo que não é um objectivo humano ou que é apenas uma miragem, de repente podem, ao ouvir o som de uma qualquer trombeta, ou o chamamento de algum louco ou demónio, deixar-se arrastar por um fanatismo delirante, por uma paixão violenta colectiva, por uma neurose popular.

As mais variadas rinocerontites, de direita e de esquerda, as mais variadas, constituem ameaças que pesam sobre a humanidade que não tem tempo de reflectir, de recuperar os sentidos ou o juízo.”

Texto retirado do livro: A Utilidade do Inútil, de Nuccio Ordine.

Imagem: IGNANT.


Deixe um comentário

Distinto

Tomei consciência, há pouco tempo, de que a lei que descriminalizou a homossexualidade é de 1982!

“Durante quase 100 anos, o Código Penal português, através dos artigos 70º e 71º, entendia a homossexualidade como “prática de vícios contra a natureza” e a punição passava, entre outras, pelo “internamento em manicómio criminal” e pela “interdição do exercício de profissão”.

Durante a ditadura em Portugal, a sociedade idealizada pelo regime de Salazar, excluía todas as pessoas que constituíssem um “perigo moral”, entre as quais os homossexuais. Estas pessoas, acusadas de conduta imoral ou vadiagem, eram internadas por longos períodos em estabelecimentos específicos, com vista a uma “reeducação”.

Com a revisão do Código Penal em 1982, a homossexualidade é descriminalizada em Portugal, constituindo uma viragem na lei.”

Definitivamente, não percebo este medo de quem é diferente.

Compreendo o eventual espanto ou estranheza; percebo que nos aproximemos daqueles com quem temos mais pontos em comum, mas não aceito esta vontade de dominar e eliminar o outro.

Nuccio Ordine orienta-nos :

“Só o conhecimento de que estamos destinados a viver na incerteza, só a humildade de nos considerarmos seres falíveis, só a consciência de que estamos expostos ao risco do erro podem permitir-nos conceber um autêntico encontro com os outros, com aqueles que pensam de maneira diferente de nós.

Por estas razões, a pluralidade das opiniões, das línguas, das religiões, das culturas, dos povos, deve ser considerada uma riqueza imensa da humanidade e não um perigoso obstáculo.”

O mesmo nos diz Juan Ramón Jiménez, com a intensidade de Asier Etxeandia:

Distinto

Lo querían matar
los iguales,
porque era distinto.

Si veis un pájaro distinto,
tiradlo;
si veis un monte distinto,
caedlo;
si veis un camino distinto,
cortadlo;
si veis una rosa distinta,
deshojadla;
si veis un río distinto,
cegadlo…
si veis un hombre distinto,
matadlo.

¿Y el sol y la luna
dando en lo distinto?
Altura, olor, largor, frescura, cantar, vivir
distinto
de lo distinto;
lo que seas, que eres
distinto
(monte, camino, rosa, río, pájaro, hombre):
si te descubren los iguales,
huye a mí,
ven a mi ser, mi frente, mi corazón distinto.


Una Colina Meridiana (1942-1950)

Primeira citação: daqui.

Segunda citação: daqui.

Imagem: daqui.


Deixe um comentário

Considerações inúteis sobre o Amor

“Abandonar a pretensão da posse, saber conviver com o risco da perda, significa aceitar a fragilidade e a precaridade do amor. Significa renunciar à ilusão de uma garantia de indissolubilidade da ligação amorosa, tendo presente que as relações humanas, com as limitações e as imperfeições que as caracterizam, não podem prescindir da opacidade, das zonas de sombra, da incerteza. É por isso que, quando se procura a total transparência e a verdade absoluta no amor, se acaba por destruí-lo, se acaba por sufocá-lo num abraço mortal.”

” A posse, em todo o caso, configura-se como como um dos piores inimigos do amor. Encerrar o amor num círculo, condenando-o a viver numa prisão eterna, não servirá para protegê-lo das mutações e das metamorfoses que caracterizam as coisas humanas.”

Nuccio Ordine, no manifesto A Utilidade do Inútil, tece estas reflexões lúcidas sobre as relações românticas.

Nota: Como é óbvio, estas e outras considerações muito sábias sobre o Amor são completamente inúteis quando nos apaixonamos. Como toda a gente sabe, se esse fosse um estado de alguma razoabilidade e sensatez, não se chamaria paixão…

Paixão deriva do latim passio, -onis: sofrimento.

Fotografias: IGNANT.


1 Comentário

Pessoas infelizes

Eugène Ionesco, numa conferência realizada em 1961, faz um retrato dos nossos dias:

“Vejam como as pessoas correm atarefadas pelas ruas.

Não olham para a direita nem para a esquerda, preocupadas, de olhos fixos no chão, como cães.

Caminham a direito, mas sempre sem olhar em frente, pois seguem maquinalmente um percurso já bem conhecido.

Em todas as cidades do mundo, é assim que acontece.

O homem moderno, universal, é o homem atarefado, que não tem tempo, que é escravo da necessidade, que não compreende que uma coisa possa não ser útil; que não compreende sequer que, na realidade, o útil pode ser um peso inútil, opressivo.

Se não se compreende a utilidade do inútil e a inutilidade do útil, não se compreende a arte;

e um país onde não se compreende a arte é um país de escravos ou autómatos, um país de pessoas infelizes, pessoas que não riem nem sorriem, um país sem espírito;

onde não há humorismo, não há riso, há raiva e ódio.”

Sessenta anos depois, vários choques tecnológicos e vias rápidas digitais/de betão mais tarde, e assim continuamos… não só nas grandes cidades, mas também nas pequenas cidades do interior. Basta uma distração, uma fresta aberta no autopoliciamento e embarco com facilidade na caderneta do humano atarefado.

Por ansiedade ou frenesim natural, sou permeável à alta voltagem das urgências pessoais, familiares e profissionais do dia; por autoexigência excessiva planeio 1000 tarefas impossíveis de concretizar num só dia. Resultado? Fico exausta e frustrada.

Devido à minha cordialidade natural, percebi que os outros esperam de mim um autoajuste inesgotável e só se surpreendem quando não cumpro. Também por isso, tive de aprender a observar-me e a desacelerar aos primeiros sinais de stress descontrolado.

Sei que o percurso ainda é longo. Mas imperioso.

Para além de não querer adoecer com excesso de cortisol, nem consigo conceber a ideia de me tornar um autómato e, com as opressões quotidianas, não contemplar o céu, a Primavera, a arte e as pessoas bonitas!

As cidades das máquinas: IGNANT.

Texto de Eugène Ionesco: daqui.


1 Comentário

Humanitas

Com a idade a avançar, também surgem boas mudanças: encontro em mim a constância e as referências que me permitem confrontar-me com o ensaio, género que nunca me cativou enquanto literatura prazerosa.

A Utilidade do Inútil é um manifesto do filósofo italiano Nuccio Ordine que nos interpela nestes tempos de decadência e escuridão. É precisamente quando a crise se agudiza que o sentido prático domina e só se salva o que é útil, ou seja, o que produz lucro.

Ordine chama a atenção para o perigo de construirmos um mundo que anseia correr, mesmo que não saiba para onde. Para contrariar esta questão, este sentido único e cego na direcção do fogo do dinheiro, o filósofo evidencia a importância de todos os filósofos, cientistas e escritores que, com os seus pensamentos e descobertas inúteis, foram dando algum sentido ao caos.

Neste excerto do livro, cita-se Kakuzo Okakura que explica como é o inútil que nos torna humanos; de facto, se pensarmos bem, nenhum outro animal coloca na sua toca um objecto decorativo ou oferece ao seu parceiro um adorno estético.

“O japonês Kakuzo Okakura atribui à descoberta do inútil o salto que assinalou a passagem da feritas à humanitas. No seu livro A Cerimónia do Chá (1906), num apaixonado capítulo dedicado às flores, alvitra que a poesia amorosa teve origem no mesmo momento que nasceu o amor pelas flores:

O homem primordial superou a sua condição de bruto ao oferecer a primeira grinalda à sua rapariga.

Elevando-se acima das necessidades naturais primitivas, tornou-se humano. Quando percebeu o uso que se podia fazer do inútil, o homem fez a sua entrada no reino da arte“.

Fotografia: IGNANT.


Deixe um comentário

A orla do sublime

As Cidades Invisíveis, de Italo Calvino, são um desafio para quem, como eu, é impaciente e tendencialmente dispersa. Na verdade, são um desafio para quem vive no milénio do fácil, do imediato e da acção.

Nada acontece neste livro descritivo, mas tudo pode acontecer se nos permitirmos.

Marco Polo descreve ao imperador Kublai Khan cinquenta e cinco cidades com nomes de mulher, por onde a nossa mente viaja, somente interrompida pelos comentários do imperador mongol.

Apesar de aparentemente fantasiosas, estas cidades são trágicas, porque são criações humanas.

É cada vez mais evidente a incapacidade que temos de, juntos, atingirmos a orla do sublime.

Marco Polo termina a sua descrição desta forma absurdamente atual:

O inferno dos seres vivos não é uma coisa que há-de acontecer; se ele existe, já está aqui presente, o inferno que habitamos todos os dias, que constituímos estando juntos.

Há duas maneiras de não sofrermos com isso.

A primeira torna-se fácil para muitos: aceitar o inferno e tornarmo-nos parte dele até ao ponto de já não o vermos.

A segunda é arriscada e exige atenção e aprendizagem contínuas:

procurar e saber reconhecer quem e o quê, no meio do inferno, não é inferno, e fazê-lo durar e dar-lhe espaço.

Tenho muita dificuldade com a hipótese A, embora seja a mais cómoda.

Os “mass media” confundem-nos e é difícil discernir o que é e o que não é inferno: como digerir tanta violência, apelo ao consumismo, sensacionalismo, polarizações, dicotomias simplistas, catadupa de informação, … ?

É preciso ócio, humildade, reflexão e conhecimento para procurar a Hipótese B, valores antagónicos ao novo milénio.

É preciso coragem para caminhar (quase) sozinha.

Imagem: IGNANT.


Deixe um comentário

Horror

O horror chegou.

me angustiava quando era distante, mas agora a tragédia é à nossa porta.

Como a maioria dos portugueses, tenho vizinhos e alunos ucranianos, com quem partilho várias horas do meu dia. No entanto, até há duas semanas, pouco sabia acerca do seu país: admirava a persistência dos jovens no estudo, respeitava a sua forma digna de viver, sabia algumas curiosidades culturais, 3 ou 4 palavras e umas quantas generalidades acerca da sua História.

Foi em choque que vi como a Rússia invadiu a Ucrânia.

É com horror que vejo cidades bombardeadas, ucranianas a fugir com os filhos, ucranianos a dispararem e Zelenski, muito nobre, a suplicar por auxílio europeu, perante um massacre sanguinário.

Nada justifica uma invasão militar, nem a agressão gratuita de um povo.

Ouço os analistas que me parecem mais credíveis, falo com os ucranianos que conheço, louvo os cidadãos russos que se manifestam contra um regime opressor, mas nada faz sentido.

Tal como nos pesadelos.

Só sei que a cada dia que passa, respeito mais a resistência e a valentia da Ucrânia.

Fiquei impressionada com a bravura que manifestaram na crise de 2014, contra um presidente pró-russo que traiu as expectativas dos eleitores: prometeu-lhes uma aproximação com a União Europeia e, após as eleições, cancelou as negociações com o Ocidente e consolidou acordos com Putin.

Nessa altura, a população de Kiev manifestou-se durante 3 meses, ininterruptamente, contra bastões de ferro, gás lacrimogéneo, balas de borracha e de pólvora. O manifesto sentido de união e justiça comovem qualquer bem-aventurado que esteja, por estes dias, confortavelmente sentado no sofá.

O documentário “Winter on Fire” evidencia que o povo ucraniano não se submete, nem mesmo perante a força mais brutal. Prezam a liberdade e a indepêndencia e não abdicam de valores inquestionáveis.

Infelizmente, a História mostra que esta resistência tem sido testada pelos ditadores russos nos últimos cem anos.

Holodomor (Grande Fome) foi infligido por Estaline, em 1932 e 1933, e provocou milhões de mortes. O ditador quis submeter a Ucrânia à ideologia comunista, mas os camponeses ucranianos recusaram a colectivização. Foram-lhes retirados os cereais e bloqueadas as fronteiras, ou seja, as pessoas foram cercadas para morrer. Entretando, destruiram-se vários símbolos de identidade nacional ucraniana: língua, igreja e intelectuais. Um genocídio.

É óbvio que não me tornei especialista em geopolítica de Leste, mas nesta guerra é absolutamente claro onde está o MONSTRO.

“Winter on Fire: Ukraine´s Fight for Freedom” – 2015


2 comentários

11

Nasceu-te um Filho

Nasceu-te um filho. Não conhecerás,
jamais, a extrema solidão da vida.
Se a não chegaste a conhecer, se a vida
ta não mostrou – já não conhecerás

a dor terrível de a saber escondida
até no puro amor. E esquecerás,
se alguma vez adivinhaste a paz
traiçoeira de estar só, a pressentida,

leve e distante imagem que ilumina
uma paisagem mais distante ainda.
Já nenhum astro te será fatal.

E quando a Sorte julgue que domina,
ou mesmo a Morte, se a alegria finda
– ri-te de ambas, que um filho é imortal.

Jorge de Sena, in Visão Perpétua

Nasceu-me uma filha.

Há 11 anos.

Nenhum astro me será fatal.

Jamais.


2 comentários

Talvez alguém

Na peça “Auto da Barca do Inferno”, de Gil Vivente, várias almas desfilam pelo Pugatório, tentando convencer o Anjo de que são merecedoras da eternidade no Paraíso.

A personagem aparentemente mais absurda é o Parvo.

Quando se dirige ao Anjo, repetindo o percurso de todas as personagens, responde da forma mais intrigante:

Anjo: Quem és tu?

Parvo: Samica alguém (talvez alguém).

Desde a adolescência, que me pergunto que resposta daria eu ao Anjo, se me encontrasse em semelhante situação. Décadas passaram, acumulei tantas experiências, leituras, aventuras, cobardias e bravuras que continuo sem encontrar solução.

Que resposta poderá ser mais humilde, lúcida e sábia do que a do Parvo?

Tento ter presente a lição do Parvo, quando sou elogiada, quando dou por mim com tiques de arrogância, quando cedo à tentação de menosprezar alguém que ideologicamente está distante de mim ou que não se consegue expressar da forma mais fluida.

Confirmo a superioridade do Parvo, quando sou confrontada com a soberba, com o egocentrismo, com a crueldade, e com a intolerância dos outros.

Provavelmente a sobranceria é o defeito que mais abomino… também em mim.

Lembrei-me do Parvo, quando li este poema de Emily Dickinson.

Melhor do que um “Alguém” só mesmo outro “Alguém”.

Não sou Ninguém! Quem é você?
Ninguém – Também?
Então somos um par?
Não conte! Podem espalhar!

Que triste – ser –  Alguém!
Que pública – a Fama –
Dizer seu nome – como a Rã –
Para as palmas da Lama!

I’m Nobody! Who are you?
Are you – Nobody – too?
Then there’s a pair of us!
Don’t tell! they’d advertise – you know!

How dreary – to be – Somebody!
How public – like a Frog –
To tell one’s name – the livelong June –
To an admiring Bog!

DICKINSON, Emily. Não sou ninguém. Poemas.


2 comentários

Coloristas

Introspecção: “observação dos fenómenos psíquicos da própria consciência”.

Passou o interminável Janeiro.

É sempre um mês de introspecção: 31 dias de observação dos fenómenos psíquicos da minha consciência é um trabalho árduo.

Fico melancólica e misantropa.

Felizmente, Fevereiro já é tempo de renascer, antecipar a Primavera e desenclausurar.

É também a altura de renovar os meus votos de parcimónia consumista e procurar conjugações com o que há no roupeiro.

Os básicos que nunca falham no dia-a-dia veloz e implacável.

E animar a monotonia com bom humor urbano?

O que se destaca destas fotografias não são só as roupas, é o ar feliz de quem anda na rua com as amigas.

São estes programas tão íntimos que, de facto, dão cor ao meu Inverno.

São estes programas tão íntimos que estão a faltar em 2022!

Imagens: Pinterest.