“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


Deixe um comentário

Pássaros na cabeça

Mais um livro da Biblioteca de Estremoz.

Como muitos livros infantis, este é só aparentemente simples, permitido uma leitura mais superficial e outra bem mais complexa.

A mais profunda vou abordando aos poucos com a Beatriz.

Temos um rei, muito sensato e tranquilo com as suas escolhas.


 

Um rei que gosta de passarinhos e de refletir sobre o seu reino enquanto os alimenta e mima.

E temos três ministros ambiciosos, megalómanos, insensatos e que querem ficar para a história custe o que/ a quem custar (onde é que já vimos estes três?).

Três ministros que traçam um plano maquiavélico para enganarem o seu rei.

Ministros que expulsam todos os passarinhos do reino, os verdadeiros conselheiros do soberano.

Três ministros que merecem um grande castigo pela sua crueldade e egoísmo.

Um livro com uma mensagem muito lúcida:

Seremos todos mais inteligentes e felizes com tempo para introspeção e próximos da natureza!

Escrito pelo escritor cubano Joel Franz Rosell e ilustrado por Marta Torrão.

Da editora do coração Kalandraka!

 

 

Anúncios


Deixe um comentário

O Médico do Mar

A Beatriz anda muito curiosa acerca da vida animal, sobretudo a marinha.

Eu também tenho aprendido muito: vocês sabiam que os polvos têm 3 corações e as formigas 2 estômagos?

Eu não!

Para além do saber enciclopédico, encontrámos este livro sobre um veterinário intrépido que todos os dias salva os animais marinhos.

Dos mais inofensivos.

Aos mais temerários.

Até que um dia é ele que precisa de ser salvo.

De forma muito descontraída e divertida, este livro ensina acerca da importância dos comportamentos em cadeia, no mar e na terra: o bem atrai e provoca o bem!

Escrito e ilustrado por Leo Timmers e brevemente adaptado para televisão.


2 comentários

A minha professora é um monstro

O nosso ano lectivo inicia-se com mais adrenalina do que o habitual: a nossa bebé vai para a escola primária!

Que nervos!

Uma das leituras de Verão abordou a incontornável temática:

-Será que eu vou gostar da professora?

-Será que a professora vai gostar de mim?

O Fred não gostava da professora… e a D. Lurdes também não simpatizava especialmente com o Fred.

Até que, num tranquilo Sábado de manhã, um encontro nada desejado aconteceu no parque da cidade.

Um silêncio incómodo prolongou-se… interrompido por um ventinho benfazejo.

Foi a oportunidade de que precisavam para perceberem que, se olhassem com mais atenção um para o outro, iriam encontrar pontos comuns, daqueles que retiram a  “monstruosidade” às pessoas com quem não simpatizamos (bem, a algumas…).

No fundo, uma lição de sã convivência para crianças e adultos.

De Peter Brown, filho, neto e sobrinho de professores.

Da editora mais perigosa que conheço Orfeu Negro  

(Se visitarem o site, percebem o que digo: tudo irresistível!)


9 comentários

A primeira

Momento educativo do dia:

-Fernão de Magalhães foi o primeiro homem que deu a volta ao mundo, de barco. Estás aqui a ver o globo… blabla… provou que a terra era redonda… blabla… rei de Castela… blabla… e…

-Mãe, mas quem foi a primeira mulher a dar a volta ao mundo?

-…?!…

A minha filha é mais feminista do que eu!

Fui pesquisar!

E agora, antes de grandes lições de História, tenho de preparar-me!

Descobri que a primeira mulher a fazer a primeira viagem de circum-navegação foi Jeanne Barret:

uma jovem de 26 anos, apaixonada por Botânica, entre 1766-69, acompanhou, disfarçada de rapaz, o seu amante Philibert Commerson, um famoso botânico, na primeira viagem de circum-navegação francesa.

Para além de ter infringido a lei francesa que proibia as mulheres de viajarem nas expedições,

de ter sobrevivido três anos a negar a sua identidade e sozinha entre tantos homens,

ter sofrido ao ser descoberta,

identificou e desenhou inúmeras espécies de plantas nunca antes vistas.

Claro que este trabalho científico nunca foi devidamente reconhecido, tal como o de muitas mulheres da História.

Fiquei com vontade de ler o livro desta incrivelmente corajosa mulher.

jeanne-baret-livro

Continuei a pesquisa e encontrei Amélia Earhart, nascida a 1897, nos Estados Unidos da América.

Apesar de não ter concluído a viagem, no seu avião, morreu a tentar.

É a preferida da Beatriz!

amelia-earhart

Tenho de ver o filme.

Mais recentemente, Elspeth Beard fez esta mesma viagem de mota.

primeira-mulher-a-circumnavegar-o-globo-de-mota

morning-departure_india-elspeth-beard-overland-magazine

Mulheres-modelo que se superaram, num mundo de homens.


4 comentários

6 anos

dominique-fortin-sea

as meninas

as minhas filhas nadam. a mais nova
leva nos braços bóias pequeninas,
a outra dá um salto e põe à prova
o corpo esguio, as longas pernas finas:
                                                                                                                                                                                       .
entre risadas como serpentinas,
vai como a formosinha numa trova,
salta a pés juntos, dedos nas narinas,
e emerge ao sol que o seu cabelo escova.
                                                                                                                                                                                       .
a água tem a pele azul-turquesa
e brilhos e salpicos, e mergulham
feitas pura alegria incandescente.

                                                                                                                                                                                       .

e ficam, de ternura e de surpresa,
nas toalhas de cor em que se embrulham,
ninfinhas sobre a relva, de repente.

Vasco Graça Moura, in Antologia dos Sessenta Anos

 dominique-fortin-3
as minhas filhas nadam. a mais nova
leva nos braços bóias pequeninas, […]
                                                                                                                                                                                       .
a água tem a pele azul-turquesa
e brilhos e salpicos, e mergulham
feitas pura alegria incandescente.”
 ♥
Saíste de repente da piscina.
Aquelas pernas esguias não são tuas.
São aquelas rechonchudas saltitantes.
Não, não são; és a menina da frente!
Cresceste.
Sou Mãe da menina da frente.
Enrola-te no meu colo, ninfinha.
Encolhe as tuas pernas esguias.
Ilustrações: Dominique Fortin.
dominique-fortin-6


6 comentários

Brincar

-Mãe, não queres brincar comigo?

-Só um bocadinho… agora não posso.

-Mas queres brincar comigo?

-Quero, claro!

(Ui, parece-me que menti…)

Gosto de ver filmes infantis, gosto de passear e ir ao mercado com a Beatriz, gosto de ler livros infantis, gosto de ir para a cozinha com ela e ficar com farinha no tecto, mas não gosto de brincar.

Custa-me!

“Agora tu és a Elsa e eu sou a Ana e tu lanças gelo das mãos para fazer bonecos de neve!”

“E depois… pegas no biberon e dás o jantar ao bebé.”

Socorro!

Brincar não é divertido; por algum motivo deixamos de fazê-lo aos 10 anos!

 

Nos dias em que me esforço muito, tento arranjar qualquer coisa que também seja um bocadinho menos penosa para mim e (verdade mesmo!) que entretenha e envolva a Beatriz durante algum tempo.

Fizemos um carro com muitos botões, muitas funcionalidades e cheio de pormenores laterais desenhados e colados pela Beatriz (durante largos minutos!).

carro de cartãoE que me destruiu  as costas em 10 corridas pela casa!

Construímos um teatro de dedoches.

Teatro de dedoches

dedoches

Teatro de dedoches em ação

As fotografias revelam que o investimento foi mais da Beatriz do que meu, não é?

Depois dos meus parágrafos iniciais acho que estou desculpada…