“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


8 comentários

Boleima Rápida da Avó

No dia em que as queridas Anas fizeram a boleima de Castelo de Vide, falei da boleima da avó Silvana.

É uma versão mais rápida e simples da boleima, mas muito boa.

Ingredientes:

1 copo de leite

1 copo de óleo

4 copos de farinha com fermento

1 pitada de sal

500g de maçãs

açúcar amarelo e canela

Amassam-se todos os ingredientes muito bem e divide-se a massa em duas partes iguais.

Estende-se com o rolo metade da massa e cobre-se o fundo do tabuleiro.

Polvilha-se com açúcar e canela.

Cobre-se com as maçãs  cortadas em fatias e polvilha-se com mais açúcar e canela.

Coloca-se por cima a outra metade da massa já esticada com o rolo.

Polvilha-se novamente com açúcar e canela.

Antes de ir ao forno, conta-se com uma faca bem afiada; dão-se golpes até ao fundo do tabuleiros de forma a formar muitos quadrados.

Coze em forno moderado.

É fácil de fazer e é absolutamente deliciosa!

Anúncios


9 comentários

Boleima de maçã

A boleima é um dos meus doces tradicionais favoritos do Alentejo;

mas tem de ser a boleima de maçã e caseira, claro.

A da Avó Silvana é das melhores, mas esta que as Anas fizeram está igualmente excelente.

Ingredientes:

1kg de massa de pão;

250g de banha de qualidade (de porco preto);

açúcar amarelo;

canela;

50g de farinha de trigo;

maçãs e nozes picadas.

1- Trabalha-se a massa de pão com farinha.

pesar-a-massa-de-pao

2- Em seguida, vão-se fazendo furos na massa onde se vai introduzindo a banha, mas sem amassar.

ingredientes-da-boleima

3-Fazem-se bolos redondos desta massa, que se espalmam e se colocam num tabuleiro.

4- Polvilha-se o centro destes discos com açúcar e canela e, querendo, fatias finas de maçã e nozes picadas.

macas-cortadas-para-boleima

recheio-da-boleima-de-maca-e-nozes

5- Põe-se em cima de cada disco uma bola de massa também achatada, mas de diâmetro inferior, de modo a deixar uma orla em toda a volta da rodela.

6-Polvilha-se novamente a boleima com açúcar e canela.

boleima-antes-de-ir-ao-forno

7- Da boleima inferior, puxam-se quatro tiras que se fazem passar sobre a boleima juntando-se ao meio.

(Colocam-se gotas de água por cima da boleima, antes desta ir ao forno, para o açúcar, que foi polvilhado, não queimar: dica preciosa da Ana).

8- Levam-se a cozer em forno moderadamente quente.

boleima-de-maca-depois-de-cozida

É um perigo: o nosso tabuleiro desapareceu em dois dias!

A receita da Boleima de Castelo de Vide está no Livro, na página 255.

 

 

 

 

 


4 comentários

Bolo finto

No Alentejo, o bolo finto é um clássico.

Devo dizer que não aderi de imediato, porque a aldeia dos meus antepassados é uma aldeia de padeiras e o Bolo das Alhadas educou-me o paladar da infância.

O bolo finto tem um sabor intenso a erva-doce que não me agrada;

no entanto, eu só tinha provado bolo finto industrial.

Que sabia eu?

Não imaginam como é diferente do cozido em casa.

Quando a Ana nos desafiou para uma tarde no forno, nos planos também estava o bolo finto.

Bolo Finto

Ingredientes:

1,5 kg de farinha

500g massa de pão (receita já testada aqui)

1,5dl de leite

12g de canela

12g de erva-doce

1/2 cálice de aguardente

raspa de casca de 1 laranja

1,5dl de azeite

1 casca de limão

10 a 12 ovos (conforme o tamanho)

1-Coze-se a erva-doce num pouco de água, côa-se a água e guarda-se.

2-Ferve-se o azeite com a casca de limão.

3-Peneira-se a farinha para um alguidar e junta-se-lhe o pão em massa, o leite, a canela, o açúcar, a aguardente, a raspa da casca de laranja e vão-se amassando estes  ingredientes, primeiro com a água de cozer a erva-doce e depois com os ovos, juntando-os à medida que a massa os vai absorvendo.

4-Quando a massa fizer bolhas, polvilha-se com mais farinha, tapa-se com um cobertor e deixa-se levedar durante 24 horas.

5-Em seguida, e sempre com a ajuda da farinha, divide-se a massa em vários bocados de modo a fazerem-se bolos redondos com o diâmetro de 10 a 12 cm.

tender-e-moldar-bolo-finto

A fintar os bolos fintos!

A fintar os bolos fintos!

bolo-finto-em-massa

6-Colocam-se em tabuleiros, deixam-se levedar um pouco e cozem-se em forno forte.

Uma equipa extraordinária... amigos queridos!

Uma equipa extraordinária… amigos queridos!

6-À medida que os bolos forem saindo do forno, pincelam-se com ovo batido.

bolo-finto-sair-do-forno

Eu comi um bolo numa tarde, mas aqui em casa há quem tenha comido um bolo numa dentada!

A receita foi retirada do livro que há em casa de todos os portugueses, na página 255 – Bolos de Festa de Alpalhão.

E ainda me falta mostrar-vos a Boleima de Maçã!

 


10 comentários

Amassar

A Ana desafiou-nos para fazer pão.

Assim, num dia cheio de sol de Inverno.

Perfeito para caçar tesouros Lá Fora.

correr num monte alentejano

aproveitar-o-sol-de-inverno

E eu fui, com pouca convicção a pensar que íamos cozer 3 pães.

Vejam o que fizémos; correção – o que as duas Anas fizeram, porque eu fiquei tão abismada que quis registar tudo e pouco amassei.

Pão Alentejano

3 kg de farinha

70g de fermento

50g de sal

1-Amassar os ingredientes. A Ana tem esta máquina!

batedeira industrial doméstica

2-Levedar durante 3 quartos de hora num local aquecido.

massa-de-pao-a-levedar

3- Pesar a massa (a Ana é perfeccionista!), tender e moldar.

pesar-a-massa-de-pao

massa-de-pao-alentejano-moldada

Aproveitou-se ainda a massa para fazer pãezinhos com chouriço.

Entretanto a massa de pão moldada ficou tapada mais 10 minutos.

moldar-pao-com-chourico

4- Tudo pronto, passou-se para o forno.

massa-de-pao-antes-de-ir-ao-forno

pao-na-pa-do-forno

O forno já estava quente e com a cortina de calor: aquelas brasas rubras que impedem que o calor se perca.

cortina-de-calor-do-forno-de-lenha

5-Brincar enquanto o forno faz o seu trabalho.

quartel-de-bombeiros-em-miniatura

6-Retirar e cheirar muito.

pao-alentejano-acabado-de-sair-do-forno

7- Trincar… e eu viajei mesmo no tempo!

comer-pao-com-chourico-e-bom

As Anas ainda fizeram mais maravilhas!

Aguardem!


11 comentários

Suspiros

– E gostas de viver no Alentejo?

– Gosto… mas é preciso aprender a viver em Estremoz.

Há muitos exemplos corriqueiros:

  • não se torce o nariz a carne de porco;
  • não se pode esperar cumplicidade ao suspirar, com saudades, por um peixinho grelhado com batata cozida;
  • mantem-se uma certa cerimónia nos relacionamentos, mesmo que já íntimos;
  • não se espera que o homem cozinhe e estenda a roupa com toda a naturalidade;
  • não se pode esperar que os alentejanos sejam todos ateus\comunistas: a larga maioria das pessoas que conheço nas cidades do Alto Alentejo – Portalegre, Elvas e Estremoz são, inequivocamente, católicas e de direita;
  • não se diz que os doces conventuais alentejanos são demasiado… doces;
  • não se recusa um suspiro.

suspiros alentejanos 2

A Avó Silvana faz estas maravilhas light e, escusado será dizer, que bombardeia, com frequência, qualquer tentativa de dieta ou restrição de açúcar.

Com quase 89 anos já tem o estatuto de dizer o que quiser…

até que os bolos nem engordam muito.

E esta mulher do litoral o que faz?

Compra morangos ou frutos vermelhos e come suspiros com fruta…

para não engordar tanto!

Bem… a lógica é a mesma da da Avó Silvana!

Ingredientes:

6 claras e 0,5kg de açúcar;

raspa de limão (presente nos apontamentos da Avó, mas opcional).

Suspiros crus

Preparação:

Bater os ingredientes até a mistura ficar muito firme.

Alourar no forno.

suspiros alentejanos

O grande problema é que ficam mesmo muito bons, leves e estaladiços!