“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


5 comentários

Verdade

Será a verdade um valor tão indiscutível quanto nos querem fazer crer?

Viver em verdade connosco e com os que nos são próximos, sem dúvida, mas quantas vezes mentimos ao longo do dia?

Tinha um lema com uma colega de trabalho que consistia em nunca dizermos uma à outra que estávamos com ar cansado ou doente.

A partir do momento em que alguém nos apontasse essa verdade sentíamo-nos fatalmente com olheiras até aos cotovelos e febris.

Seguem 5 mentirinhas que uso para sobreviver a conversas de circunstância:

1-Que idade achas que tenho? (a pergunta mais armadilhada que conheço)

R: (Acho que tens 45 anos, mas como perguntas queres ouvir…) 40, não?

2-O que achas destas calças?

R: Giras! (agora já sabem; se eu não disser mais nada é porque não são fantásticas)

3-Tenho razão, não tenho?

R: Alguma (pouca e a que tens não vale nada!)

4-Achas que sou chato?

R: Não (mas já respondi a isso 10 vezes na última meia-hora!).

5- Estou mais gorda?

R: Não (nunca! lá agora!)

A propósito de dizer coisas fofinhas, o que eu gostei desta colecção de postais para enviar, quando não estamos para uma mentira piedosa ou quando fica o fastio estampado na nossa cara…

Que vontade de enviar emails!

Do ilustrador Killien Huynh.