“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


2 comentários

Alternância

O contraste luz/sombra, na ilustração, revela uma delicadeza que atrai o olhar.

É um jogo de subtilezas que faz percorrer todos os pontos de encontro dos tons simétricos.

A beleza do Outono vive desta alternância e de todas as matizes que surgem decorrentes de um sol oblíquo e apressado.

O encanto da vida humana resulta também deste contraste luz/sombra.

Mas é esse balanço que nos aterroriza!

É por causa dessa alternância que temos medo de assumir que somos plenamente felizes.

Mas também é essa oscilação que nos dá esperança num dia negro.

Votos de um dia luminoso!

Ilustrações do Pinterest: não consegui identificar os ilustradores, mas são japoneses…

 

 

Anúncios


2 comentários

Esboço

“When you get older, you realize it´s a lot less about your place in the world but your place in you.

It´s not how everyone views, but how you view yourself“.

Natalie Portman

 

O lado bom de crescer talvez seja perceber e apaziguar-me com o facto da vida ser uma constante transformação… um esboço constante do lugar onde quero chegar.

O meu poder consiste em escolher as cores e os pequenos traços, fitar o horizonte e apreciar o voo.

A minha vida é assim: eu cada vez mais nua para mim própria… e a tentar escolher as melhores cores para este desenho.

Have a nice trip!

Ilustração: Killien Huynh.


4 comentários

Sozinha

O sonho da maior parte das jovens que conheço não inclui viver sozinha.

Essa ideia recebe um nariz torcido e uns olhos abertos de espanto.

E eu espanto-me com esse espanto.

Não fui uma jovem muito irreverente, mas assim que comecei a ficar independente quis a minha casa.

Demorou, porque é muito mais económico partilhar.

Vivi 4 anos sozinha, em casas tão pequenas que não conseguia simular o homem de Vitrúvio, mas as mudanças foram sempre muito entusiasmantes e as noites muito, muito tranquilas.

Não me lembro de ter medo ou de sentir-me infeliz.

Lembro-me de acalmar facilmente na minha toca.

Ainda é assim muitas vezes.

Durante esse tempo, aprendi muito sobre mim, sobre as minhas qualidades, sobre como ultrapassar as minhas fraquezas e sobre as minhas limitações.

Houve dias difíceis, sobretudo devido a esses confrontos comigo, mas recordo esses anos como uma experiência de paz e luz.

Ficou-me, destes tempos, uma grande necessidade de estar em silêncio, com tempo e a sós.

Características que não são as mais esperadas numa mãe.

Valores muito difíceis de manter numa casa cheia e, felizmente, movimentada.

Hoje, numa outra fase da vida, de partilha constante e intensa, saboreio com calma e liberdade os minutos em que fujo para tomar um café…

só comigo!

Yaoyao Ma Van viveu 7 anos sozinha e recomenda, como testemunham as ilustrações.

É verdade, estou a ser pouco rigorosa: vivi sempre com dois gatinhos super-companheiros!

 

 


2 comentários

Casual

O que mais me desgasta no correr dos dias é… correr.

Sempre em velocidade, sempre atrasada e sempre com a sensação de estar em falta com alguma tarefa.

Ainda estou à espera que a rotina se interiorize.

Já sei que não vou deixar de correr, mas habituo-me a esta vertigem.

Para já, e como o Verão ainda dura, ando a namorar novo calçado para correr com estilo!

Do blog da Andy.

No próximo Verão, talvez regresse o look boneca.

Imagem do blog Devil Wears Zara

 

 

 


2 comentários

Pele

A gravidez altera profundamente a vida de uma mulher.

Torna evidente a maravilha de existir, redimensiona a mulher, assim como a tudo o que a rodeia.

Traz também pequenas mudanças apaziguadoras: a minha relação com o meu corpo pacificou-se;

o meu corpo, com imperfeições e defeitos, cumpriu a sua mais nobre missão: a criação de um ser humano.

Claro que esse corpo, que foi atingido pelo divino, nunca mais ficou igual.

Ganhei uma baguete na zona do baixo ventre e uma facilidade incrível para acumular gordura nas imediações.

É a natureza de sobreaviso, porque não quer ser apanhada novamente sem reservas!

O cabelo perdeu volume e os caracóis.

A pele, que era mista, ficou seca, manchada, e muito sensível.

Depois de anos a tentar perceber o que a apaziguava, descobri.

Deixei o tónico de há anos; fidelizei-me à água micelar e percebi que a pele do meu rosto só se sacia com óleo de rosa mosqueta: muito óleo de rosa mosqueta, de preferência de manhã e à noite, depois do creme hidratante.

Claro que quando a minha amiga Ana me sugeriu esta solução, eu duvidei.

Porquê?

Porque o óleo de rosa mosqueta é barato, é totalmente natural e não tem uma embalagem design.

Bem… a gravidez não altera tudo: continuo a manienta de sempre.

Mais humilde…

Talvez.

Ilustrações de Choi Mi Kyung ou Ensee.

 

 

 


Deixe um comentário

O Médico do Mar

A Beatriz anda muito curiosa acerca da vida animal, sobretudo a marinha.

Eu também tenho aprendido muito: vocês sabiam que os polvos têm 3 corações e as formigas 2 estômagos?

Eu não!

Para além do saber enciclopédico, encontrámos este livro sobre um veterinário intrépido que todos os dias salva os animais marinhos.

Dos mais inofensivos.

Aos mais temerários.

Até que um dia é ele que precisa de ser salvo.

De forma muito descontraída e divertida, este livro ensina acerca da importância dos comportamentos em cadeia, no mar e na terra: o bem atrai e provoca o bem!

Escrito e ilustrado por Leo Timmers e brevemente adaptado para televisão.


Deixe um comentário

Gelado de mirtilo e iogurte

A sobremesa preferida da Beatriz são os gelados.

Eu tento contornar a questão do açúcar em excesso e das gorduras saturadas que a maior parte dos gelados industriais tem fazendo os gelados em casa.

Estes são simples de fazer e foram feitos (quase) integralmente pela Beatriz.

Para 4-6 gelados:

100g de mirtilos

1 colher de sopa de açúcar

1 colher de sopa de sumo de limão

1 chávena de iogurte grego açucarado (ou acrescentar 2 colheres de mel, se se optar por iogurtes sem açúcar)

1- Misturar os mirtilos, o açúcar e o sumo de limão numa caçarola.

2-Deixar cozer em lume brando durante 5 minutos.

3- Deixar a mistura de mirtilos arrefecer e, de seguida, reduzi-la a puré numa liquidificadora.

4- Misturar os mirtilos e o iogurte mas de forma pouco pouco homogénea (ou dispô-los em camadas nas formas de gelado), para que os gelados fiquem manchados (tipo tie-dye!).

5- Congelar durante 4 horas.

Nós fizemos duas versões: uma com mirtilos e outra com morangos.

Não dispusemos a mistura em camadas porque a Beatriz não gosta de encontrar aglomerados de fruta nos gelados, mas se fizerem como na receita original o efeito é visualmente mais invulgar.

Esta receita foi adaptada do livro de Linda Lomelino: Gelados Caseiros.

Conhecem o blog dela? É qualquer coisa!