“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


4 comentários

Senhora Rebelde

Her meredith kahn

meredith kahn

piercing hwtf

Já sei que aos 40 anos sou, definitivamente, “senhora”, mas posso ser uma senhora rebelde?

Joalharia Meredith Kahn

Anúncios


2 comentários

Gelado de Chocolate Extrarrico

O Verão continua e os gelados também!

Fomos ao livro de Linda Lomelino e escolhemos o gelado que a convenceu a fazer gelados em casa.

A nós também nos convenceu.

Depois de provar este, é impossível ficar impressionado com qualquer gelado de gelataria, mesma daquelas que estão na moda e se intitulam “artesanais”.

Gelado de Chocolate Extrarrico

1 1/4 Chávenas de natas espessas (uso natas sem lactose)

2 colheres de sopa de cacau

100g de chocolate negro aos pedacinhos

1 colher de sopa de licor de café (omiti, mas o licor confere cremosidade)

3 gemas

2/3 de chávena de leite

1/4 de chávena de açúcar

pitada de sal

– Numa caçarola, leve ao lume metade das natas (pouco mais de 1/2 chávena) com o cacau.

– Aqueça apenas até levantar fervura.

– Tire a caçarola do lume, junte o chocolate em pedacinhos e mexa até o chocolate derreter.

– Deite a mistura de chocolate numa taça e misture as restantes natas e o licor. Coloque um passador sobre a taça e reserve.

– Bata ligeiramente as gemas numa taça pequena.

– Numa caçarola, aqueça o leite, o açúcar e o sal até levantar fervura.

– Junte a mistura de leite às gemas lentamente, mexendo sempre.

– Volte a introduzir a mistura de ovo/leite na caçarola e aqueça, mexendo sempre, até o preparado engrossar.

– Deite no passador, coe e junte à mistura de chocolate. Mexa bem.

– Cubra a taça e leve ao frigorífico até arrefecer por completo.

– Processe na máquina de gelados ou coloque no congelador.

Resmunguei enquanto fazia o gelado, porque dá algum trabalho e as minhas ajudantes abandonaram-me a meio.

Claro que depois regressaram felizes!

E é, de facto, o melhor gelado de chocolate que já provei!

gelado de cacau


5 comentários

Pendurar

pendurar coco lapine

Tenho o sonho de tirar tudo dos armários e espalhar pelas paredes!

Tudo é exagero, mas como sou acumulativa e desmemoriada, preciso de ter o que existe à vista.

De outra forma, corro o risco de não usar e (bem pior!) de comprar uma segunda via, completamente esquecida de que já tenho uma primeira guardada em casa, no fundo da gaveta.

pendurar na cozinha

Não auguro nada de bom, com o passar dos anos.

pendurar roupa no quarto

Já ando a tratar do problema e a inspirar-me nestas imagens.

Prateleiras de cozinha

cozinha Johanna

Coco Lapine

Johanna Bradford


4 comentários

Grande

Ir além

A minha filha está grande!

Ainda tem, por vezes, olhos de bebé… ou serão os meus olhos?

Ir além 2

– Cada vez mais bonita!

– Como a Branca de Neve! – diz ela.

– Sim, por dentro e por fora!

Acabaram as birras: uma fase terrível e difícil do nosso Amor.

E começou uma etapa em que o meu coração se ilumina ao ouvi-la usar palavras nunca pronunciadas:

“começo a recuperar memórias”

“obviamente”

“excepto…”

É… talvez o bebé dependente esteja a desaparecer, mas ando encantada com a “pessoa” que está a nascer!

Apesar dos desafios continuarem!

 

 

 


Deixe um comentário

L´Amour

– França está diferente! Militares por todo o lado, coletes à prova de bala, metralhadoras, helicópteros do exército, tensão e medo nas pessoas que deixavam a porta de casa aberta…

– Este é um Mundo diferente! – respondeu-me.

É impossível não sentir angústia, dor, horror e impotência.

Talvez só mesmo o Amor e a Arte nos aliviem por momentos.

O concerto da Cyrille Aimée e dos seus músicos (de múltiplas nacionalidades) recordou-me o melhor de França: pai francês e mãe dominicana, com influência da cultura cigana desde a infância.

Um concerto com a “cantora brilhante” que arrebatou a Beatriz.

E que, por momentos, nos fez reencontrar a nossa França.

Hotel França 2016

Hotel Ana 2016

Queria muito esta última versão para os nossos filhos!

Marciac 2016

Mas a frase “Este é um Mundo diferente” não me sai da cabeça…

 

 

 

 

 

 

 


3 comentários

Não vigiada

v.h.m. disse, numa entrevista, que ser feliz é viver como somos e apaziguarmo-nos com isso.

Parece tão óbvio, não é?

Mas raramente o fazemos, pelo menos em plenitude; é mais fácil ficar na superfície.

Praia não vigiada

Talvez seja necessário procurar constantemente esta bifurcação na Vida e questionarmo-nos, antes de tomarmos a decisão.

Ouvir o nosso íntimo e vencer o medo, as conveniências, as expectativas que nos amarram e seguir.

Seguir para a zona não vigiada… ou ficar, em consciência, na zona de banhos.

 

Boa sorte!